Bem-vindo ao churrasco do apocalipse

No último século, os animais vertebrados desapareceram da face da terra numa velocidade cem vezes mais rápida do que o normal. Isso significa que o planeta está vivendo a sexta extinção em massa.

A última foi há 65 milhões de anos, quando um asteroide se chocou com a terra e fulminou os dinossauros. Agora esse processo tem uma causa diferente: a explosão populacional do Homo sapiens. Boa parte desses impactos são causados pela agricultura, que tem sido feita de forma nada amigável ao ambiente.

Até meados de maio, por exemplo, o governo Federal tinha aprovado o registro de 166 novos agrotóxicos. Quarenta e oito deles são da classe I, que apresenta o maior risco toxicológico.

Diante desse quadro, tentamos responder algumas perguntas. Quais são as saídas para essa situação? É possível cultivar alimentos em grande escala sem os impactos atuais? Ou, numa saída mais extrema, é hora de a humanidade parar de crescer? E se for esse o caso, existe alguma forma de isso acontecer sem grandes catástrofes sociais?

***  Você pode assinar o podcast gratuitamente no iTunes, no Spotify, no YouTube e nos principais aplicativos de podcast ***

– Entrevistados do episódio:

Josimar Melo

Crítico de gastronomia do jonal Folha de S.Paulo, presidente da seção brasileira do júri do prêmio 50 Best.

Enrique Ortega Rodriguez

Professor da Unicamp, engenheiro químico com mestrado e doutorado em Engenharia de Alimentos.

José Maria Gusman Ferraz

Biólogo, ecologista, pós-doutor em Agroecologia pela Universidade de Córdoba.

Bruno Puga

Economista, com mestrado e doutorado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas. Presidente regional da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica.

– Mergulhe mais fundo

O apocalipse dos insetos (revista Piauí)

– Ficha técnica:

Produção, apresentação e edição: Tomás Chiaverini

Trilha sonora original: Paulo Gama

Mixagem: Vitor Coroa

– Colabore com a Rádio Escafandro:

Clique aqui.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *