O amor nos tempos do Tinder

Atualmente aplicativos como Tinder, Happn e Grindr, somados aos sites de namoro e às redes sociais, são os maiores responsáveis por criar laços amorosos nos Estados Unidos.

Pesquisas recentes mostram que mais de 40% dos casais heterossexuais americanos se conheceram pela internet. Esse número sobe para 60% quando se fala em casais homoafetivos. Já em 1995, o maior responsável por unir almas gêmeas eram os amigos em comum.

Ainda que não haja dados consolidados sobre o assunto, tudo indica que essa tendência se repita no restante do mundo e no Brasil – que é um dos países onde as pessoas passam mais tempo conectadas à internet.

Mas como chegamos a esse ponto? O que mudou desde os primeiros anúncios pessoais em jornais, que datam dos idos de 1.700, para os aplicativos que usam GPS para indicar pretendentes próximos?

E até que ponto essa revolução toda na forma como conhecemos nossos parceiros românticos está mudando também a forma como conduzimos nossos relacionamentos?

 

*****

– Colabore com a Rádio Escafandro e receba recompensas.

Clique aqui.

*****

 

– Entrevistados do episódio:

Santiago Nazarian

Escritor

Lígia Baruch Figueiredo

Psicóloga e autora do livro Tinderellas – o amor na era digita,

Hellen Taynan

Doutora em administração e marketing, psicanalista, autora da tese Deu Match! – As trocas nos relacionamentos virtuais e a objetificação do sujeito no Tinder.

– Mergulhe mais fundo

Deu Match! – As trocas nos relacionamentos virtuais e a objetificação do sujeito no Tinder

Online dating – A critical analysis from the perspective of psychological science

– Ficha técnica:

Produção, apresentação e edição: Tomás Chiaverini

Trilha sonora original: Paulo Gama

Mixagem: Vitor Coroa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *