O papel secreto do alho-poró no som de cinema

A única parte do som de cinema gravada no set de filmagem é a fala dos atores. O restante – barulho de tiros, explosões, passos, portas abrindo, portas fechando, bocas beijando, bocas fumando, bocas mascando chiclete, afagos, tapas e socos – tudo isso é feito na pós-produção.

Como esse universo sonoro é criado por artistas de foley, editores de efeito e mixadores? Quais os paralelos entre o som inventado e o som real? Como o áudio cinematográfico mudou com o tempo? Como a tecnologia influenciou essas mudanças? E qual é o peso delas nos filmes que você vê no cinema? E o que, afinal, o alho-poró tem a ver com isso?

Escute e descubra!

***  Você pode assinar o podcast gratuitamente no iTunes, no Spotify e nos principais aplicativos de podcast ***

– Entrevistados do episódio:

Guta Roim

Artista de foley.

Paulo Gama

Mixador de som.

João Vitor dos Santos

Editor de som e técnico de gravação.

– Mergulhe mais fundo

A história de Jack Foley.

– Ficha técnica:

Produção, apresentação e edição: Tomás Chiaverini

Trilha sonora: Paulo Gama

Mixagem: Vitor Coroa

– Colabore com a Rádio Escafandro:

Clique aqui.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *